Uns dias nas Termas de Monfortinho (por Elisabete Jacinto)

9 Shares
0
0
9

A piloto portuguesa Elisabete Jacinto está a realizar um percurso pelas estâncias termais que integram a rede Termas Centro. O texto que se segue é o testemunho da experiência nas Termas de Monfortinho, onde teve início a sua Rota das Termas Centro.

Ir às Termas de Monfortinho significa ir mesmo até ao fim da estrada. À chegada, o ideal será estacionar o carro e, se quiser prosseguir, faça-o a pé ou de bicicleta pois tal pode significar o início de umas férias ou de um fim de semana bem passado. Garanto que não se vai arrepender. Nesta região há muito para descobrir e para explorar… para além de poder ainda desfrutar do que as termas têm para lhe oferecer.

Descubra: O Percurso que nos leva de olhos no céu

Termas de Monfortinho é o nome do espaço termal, mas também da pequena localidade que cresceu em virtude do dinamismo provocado pelos amplos benefícios destas águas. Caracterizada por um pequeno aglomerado de casas, separadas por ruas amplas e arejadas, tem como principal característica a simpatia da sua gente. O acolhimento aqui é extraordinário.

Termas de Monfortinho

Estávamos particularmente interessados em explorar a região. A melhor forma de o fazer, na nossa perspectiva, é a pé. Por essa razão partimos à descoberta. O pomar de laranjeiras em frente às termas convida-nos a ir em direcção ao rio, onde o cantar dos pássaros e o coaxar das rãs ecoam numa sinfonia impressionante. A partir daí começamos a subir a encosta da Serra do Cancho, com uma inclinação gradual, que leva até ao miradouro das antenas e nos permite admirar a paisagem raiana. Daí começamos então a descer gradualmente entre o arvoredo e tufos de flores até chegar à povoação. Depois de a atravessar voltamos a encontrar o Rio Erges e a caminhar com ele até chegar de novo às termas. Este é o circuito pedestre das “Termas de Monfortinho”, pouco mais de seis quilómetros e que faz também parte da PR6.

Circuito pedestre das Termas de Monfortinho
Circuito pedestre das Termas de Monfortinho

Para os apaixonados pelas caminhadas este não será mais do que um pequeno aquecimento face à grande oferta de percursos pedestres na região. Estamos no Concelho de Idanha-a-Nova e, aqui, os percursos são cuidados pela autarquia como se de um jardim se tratassem. Não é por acaso. Estamos na região do Geoparque Naturtejo, um território que protege e promove o Património Geológico e o desenvolvimento local sustentável, onde um conjunto de Geossítios ou geomonumentos testemunham a evolução da terra.  A estes Geossítios acede-se através das várias rotas pedestres das quais são exemplos a Rota dos Abutres (PR1), dos Fósseis (PR3), dos Barrocais (PR 5), do Erges (PR 6) e dos Balcões (PR 7). Com o entusiasmo, o tempo passa depressa e lamentamos não ter percorrido todas as rotas.

Optámos por partimos à descoberta da Rota dos Abutres. O nome era demasiado sugestivo para nos deixar indiferentes. Dirigimo-nos assim a Salvaterra do Extremo, povoação situada, exactamente, no extremo do país e que desempenhou no passado um papel importante na defesa da nacionalidade. Na realidade, estamos a uma curta distância do Rio Erges, que nos separa do país vizinho.

Rota dos Abutres
Grifo na Rota dos Abutres
Furda na Rota dos Abutres
Rota dos Abutres

A caminhada começa entre muros de pedra granítica, construídos numa época em que era necessário limpar o terreno para ser cultivado. O azinhal tem uma presença determinante e, por isso, não estranhámos encontrar, ainda em muito bom estado de conservação, uma concentração de Furdas. As Furdas são abrigos construídos em pedras, com uma forma circular, rodeados por um recinto murado destinado à criação do porco. Apesar da calçada de pedra medieval chamar a nossa atenção, o nosso olhar dirige-se frequentemente ao céu, onde os Grifos vão esvoaçando aproveitando as correntes de ar ascendentes. Os Grifos são uma espécie de abutres cuja envergadura ultrapassa os 2,5 m e é impressionante vê-los voar ali no vale, mesmo em frente ao “Observatório de Aves da Caseta”. Aqui os especialistas conseguem ainda distinguir o Abutre do Egipto, a Águia Imperial Ibérica ou a Cegonha Negra.

Rota dos Abutres
Rota dos Abutres
Rota dos Abutres
Rio Erges

O percurso continua em boa parte ao longo do Rio Erges, revelando a sua particular riqueza em biodiversidade, mas também em termos culturais. Recordo o moinho de alagamento com o teto coberto de morcegos ou a Fonte da Ribeira já com muitos anos de construção. Sentimos, mas não vimos, os javalis que rapidamente se esconderam com a nossa passagem. Regressámos a Salvaterra do Extremo e, logo depois, às Termas de Monfortinho para recuperar do esforço desenvolvido… mas não sem antes visitar Monsanto. Vale a pena!

Monsanto
Monsanto
Monsanto

Onde ficámos e onde fizemos as refeições

Descansámos no Hotel Boavista, que prima pela simpatia do pessoal e responsáveis da unidade, e no Hotel Fonte Santa que, com o seu magnifico jardim, constitui uma excelente oportunidade para recuperar energias perfazendo uma combinação perfeita com as termas. Também a Herdade do Clube de Tiro de Monfortinho, cujos bangalós permitem um contacto directo com a natureza numa paisagem deslumbrante, é uma excelente opção. Quanto às refeições, os restaurantes da Herdade do Clube de Tiro e do Hotel Boavista impressionaram-nos pela qualidade e quantidade das iguarias servidas.

Hotel Fonte Santa
Vista do quarto do Hotel da Herdade Clube de Tiro

Explore: O Parque Icnológico de Penha Garcia

Penha Garcia é uma povoação acastelada que vale a pena ser visitada. Para além da sua particular beleza, esta povoação atrai pelas íngremes vertentes da crista quartzítica sobre a qual foi construída e que fazem as delícias dos amantes da escalada. É impressionante pensar que todo este local já foi banhado pelo oceano e, por essa razão, é hoje considerado um dos Geossítios. Vale a pena caminhar por ali, explorar aquelas paredes rochosas na busca dos vestígios fossilizados de trilobites e de outros seres marinhos que não estão sinalizados. Desça até aos moinhos de Rodízio e perceba como viviam aqui as pessoas em outras épocas.

Fóssil em Penha Garcia
Geossítio de Penha Garcia
Penha Garcia
Penha Garcia
Penha Garcia
Penha Garcia
Penha Garcia
Penha Garcia
Penha Garcia

Desfrute: De um Duche Vichy inesquecível

As termas de Monfortinho, abrigadas num edifício de arquitetura clássica, transmitem confiança e tranquilidade. As suas águas são recomendadas para as doenças da pele, do aparelho respiratório, circulatório, digestivo, nefro-urinário assim como para as doenças metabólicas-endócrinas, reumáticas e musculo-esqueléticas.

Dispõem também de uma grande quantidade de técnicas de bem estar de qualidade dos quais vale a pena usufruir. O Duche Vichy, por exemplo, ficou para sempre gravado na nossa memória. O Duche Vichy consiste numa técnica que combina uma massagem exercida pela pressão dos jactos de água termal com a das mãos de um/uma massagista, produzindo uma excelente descontração muscular e uma profunda acção tónica. Como se tal não bastasse, nas termas de Monfortinho esta massagem é feita a quatro mãos dirigida a todo o corpo, por quem domina a técnica de uma forma exemplar. Depois de um Duche Vichy sentimo-nos revigorados e, simultaneamente relaxados. Feita com esta mestria transforma-se num momento inesquecível.

Termas de Monfortinho
Termas de Monfortinho
Termas de Monfortinho

Mais informações sobre as Termas de Monfortinho aqui.

www.termascentro.pt

9 Shares
Também pode gostar

Ver e fazerLuso: roteiro pela vila termal (e arredores)

Os territórios onde estão implantadas as estâncias termais da rede Termas Centro são verdadeiramente deslumbrantes. Um período passado nas Termas é, por isso, recompensador de diversas formas. Além de contribuírem para a regeneração do corpo, sendo eficazes no tratamento de…

Estâncias termaisTermas do Carvalhal, uma história com 200 anos

As Termas do Carvalhal, no belíssimo território de Castro Daire, é uma das unidades termais mais importantes da região Centro. Mas nem sempre o foram. Ao contrário de outras, as propriedades curativas das águas são uma descoberta relativamente recente. “Águas…

Estâncias termaisCuria, a água que curou o engenheiro francês

A história das Termas da Curia começa como a de muitas outras estâncias termais. Começa por uma nascente, que jorrava água borbulhante diretamente da terra, e pela sabedoria popular, que descobriu, empiricamente, as suas propriedades curativas. Nesta história também tem…