Termas do Cró, um paraíso na natureza (por Elisabete Jacinto)

6 Shares
6
0
0

A piloto portuguesa Elisabete Jacinto continua o seu percurso pelas estâncias termais da rede Termas Centro. Este texto, escrito na primeira pessoa, é a sua experiência nas Termas do Cró.

O primeiro grande impacto das Termas do Cró é sentido, não só pela moderna arquitectura do edifício (inaugurado em 2013) mas também pela sua localização. Situa-se no concelho do Sabugal, em plena natureza, longe de tudo o que possa causar alguma perturbação, formando uma espécie de pequena ilha de tranquilidade para quem ali quiser passar uns dias. Apenas a N324 lhe dá acesso e, para lá chegar, escolhemos a estrada mais estreita, que se revelou de uma extraordinária beleza face à elevada densidade de giestas ainda em flor. Assim, o verde e o amarelo são as cores que marcam a chegada ao Cró nesta época do ano. Eu, que gosto particularmente de sítios pouco povoados, senti-me realizada.

Cró Hotel Rural & Termal Spa
Cró Hotel Rural & Termal Spa
Cró Hotel Rural & Termal Spa

Contudo, uma vez chegados ao local, a nossa curiosidade divide-se entre o moderno complexo constituído pelas termas, Hotel Rural e ruínas do antigo balneário. Estas têm uma presença marcante na paisagem e exercem um certo fascínio. Este antigo balneário foi construído em 1935  mas, com o tempo, acabou por ser abandonado. As ruínas incluem ainda a Pensão dos Milagres, o antigo posto telefónico e de correios, os poços de armazenamento de água termal e algumas outras casas. Todos estes edifícios, juntamente com a igreja da Senhora dos Milagres, já recuperada, ficam situados de cada um dos lados da Ribeira do Côa, também designada Ribeira do Boi, e constituem um verdadeiro museu daquilo que foi, no passado, este espaço termal. Merece a visita.

Ruínas do antigo balneário termal
Ruínas do antigo balneário termal

Desfrute: Dos efeitos imediatos da Thalaxion

As águas termais do Cró são particularmente recomendadas para as doenças do aparelho respiratório, reumáticas, músculo-esqueléticas e da pele.

Contudo, em termos de Bem-Estar, entre uma vasta gama de serviços, as Termas do Cró possuem uma fabulosa piscina lúdica hidrodinâmica da qual vale a pena desfrutar, pois acaba por se tornar divertida, com os seus repuxos, cascatas e jacuzzis.

Termas do Cró

Aqui vivemos também uma experiência nova, a Thalaxion, uma técnica de pressoterapia e frigiterapia combinada com hidromassagem. Por outras palavras, trata-se de uma banheira parcialmente coberta em que ficamos sentados. No seu interior, os jactos de água são dirigidos à região do abdómen, coxas e pernas, com pressões e temperaturas variáveis. Ou seja, a água quente, que tem um efeito particularmente relaxante, alterna com jactos de água fria. Esta sequência é particularmente revigorante para as pernas cansadas e também para quem tem má circulação e nós sentimo-lo de imediato. Depois de uma semana de correria e de longas caminhadas sentimo-nos revigorados. O bem-estar foi de tal forma evidente que a tardia viagem de regresso a casa acabou por se fazer com uma surpreendente facilidade.

Thalaxion
Termas do Cró

À saída, dei comigo a lamentar o facto de não ter tido acesso a estas técnicas enquanto desportista. Elas teriam contribuído para uma recuperação mais rápida e menos dolorosa depois das provas.

Explore: A natureza a pé

Estamos no meio da natureza e faz sentido ir por aí para a conhecer. Até porque a paisagem é dominada pelo Carvalho-Negral, que lhe dá um particular encanto. O circuito pedestre das termas parte do balneário e leva-nos por uma pista de terra batida entre muros de pedra, mato, giestas e uma grande variedade de flores. O ambiente é muito agradável e, ao descermos à Ribeira do Boi, somos surpreendidos pelo facto de o encontrarmos coberto de pequenas flores brancas. Que bonito! Aí é suposto atravessar a água pela “Poldra”, uma passagem pedonal que nos obriga a saltar de pedra em pedra e iniciar a subida pela serra para chegar à Crista Quartzítica e ao marco geodésico para admirar a paisagem. Contudo, neste momento, demos azo ao nosso espírito de aventura e fomos por ali à procura do Rio Côa, um dos poucos que corre para norte, famoso pelas pinturas rupestres encontradas nas suas margens.

Percurso pedestre das Termas
Percurso pedestre das Termas
Percurso pedestre das Termas
Percurso pedestre das Termas
Percurso pedestre das Termas

Não nos importando com os vários corta-matos, circulámos entre vegetação, às vezes quase tão alta quanto nós, e percebemos a origem da arte do bracejo, a produção de peças de artesanato feitas de junco, pois este é ambulante na região. Desta forma, tivemos o privilégio de estar em locais magníficos e a oportunidade de constatar que ali foi, em tempos idos, cultivado o cereal. Ainda se encontram ruínas dos moinhos de rodízio ao longo do rio e há, aqui e ali, pequenos amontoados de pedras resultantes da necessidade de limpar o terreno. Não fomos à Serra das Mesas conhecer a nascente do Côa, não ficámos a conhecer algumas das suas praias fluviais nem fomos à sua foz, mas ficámos com pena. Esta é apenas uma das muitas razões para cá voltar, um dia em breve.

Descubra: As aldeias históricas

Esta é uma boa oportunidade para conhecer aldeias que, na época medieval, tiveram, pela sua localização, uma importância estratégica determinante e que hoje são monumentos históricos. Sabugal, Vila do Touro, Alfaiates, Vilar Maior e Sortelha são locais de visita obrigatória.

Destas visitámos apenas o Sabugal e Sortelha. Ficámos surpreendidos pelo facto de esta última apresentar apenas um habitante no centro histórico, apesar do seu excelente estado de conservação. À saída deparámo-nos com o Restaurante D. Sancho, onde os bons petiscos nos preparam para a viagem. Embora a visita a estas aldeias tenha sido breve, foi o suficiente para tomarmos consciência da importância de voltar a estes lugares, com tempo e disponibilidade para aprender toda a história que têm para nos ensinar.

Castelo do Sabugal
Castelo do Sabugal
Sortelha
Sortelha
Restaurante D. Sancho, Sortelha

Mais informações sobre as Termas do Cró aqui.

Veja por onde já andou a Elisabete Jacinto:

Termas da Curia, muito mais do que um espaço termal

Termas de Luso, uma fonte de bem-estar

Termas de Unhais da Serra, uma experiência que deve ser vivida

Termas do Cró, um paraíso na natureza

Uns dias nas Termas de Monfortinho

www.termascentro.pt

6 Shares
Também pode gostar

Ver e fazerLuso: roteiro pela vila termal (e arredores)

Os territórios onde estão implantadas as estâncias termais da rede Termas Centro são verdadeiramente deslumbrantes. Um período passado nas Termas é, por isso, recompensador de diversas formas. Além de contribuírem para a regeneração do corpo, sendo eficazes no tratamento de…

Estâncias termaisTermas do Carvalhal, uma história com 200 anos

As Termas do Carvalhal, no belíssimo território de Castro Daire, é uma das unidades termais mais importantes da região Centro. Mas nem sempre o foram. Ao contrário de outras, as propriedades curativas das águas são uma descoberta relativamente recente. “Águas…

Estâncias termaisCuria, a água que curou o engenheiro francês

A história das Termas da Curia começa como a de muitas outras estâncias termais. Começa por uma nascente, que jorrava água borbulhante diretamente da terra, e pela sabedoria popular, que descobriu, empiricamente, as suas propriedades curativas. Nesta história também tem…