Termas de Vale da Mó: uma água única no país

0 Shares
6
0
0

Datam do século XVIII as primeiras referências a uma fonte termal na aldeia de Vale da Mó, concelho de Anadia. A sua descoberta é atribuída ao Padre Manuel Almeida, o que terá acontecido no ano de 1730, de forma casual.

Entusiasmado com a especificidade da água que brotava da fonte, com sabor “ferruginoso”, o padre comunicou a sua descoberta a um irmão, juiz-desembargador em Lisboa. A notícia ter-se-á espalhado com rapidez pela capital e em poucos anos as águas de Vale da Mó já tinham ganho o epíteto de serem as melhores águas férreas do país.

Frei Cristóvão dos Reis, carmelita descalço e administrador da botica do Convento do Carmo em Braga, incluiu as águas de Vale da Mó na sua obra “Reflexões Metódico-Botânicas (e outras notícias de águas minerais)”, de 1779, onde faz várias considerações sobre as nascentes termais mais conhecidas à época no país.

Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)

Pouco a pouco, a frequência de Vale da Mó foi aumentando, tanto em quantidade como em importância. Prova disso é a visita de José Seabra da Silva, membro dos gabinetes dos reis D. João V, D. José e D. João VI. Também a povoação cresceu, para dar resposta ao aumento da procura pelas suas águas férreas. Os “sete casebres” que existiam no século XVIII evoluíram assim para uma “aldeia de águas”.

A comprovar a crescente fama destas águas está também o facto de serem referenciadas no Almanaque, publicação anual de grande divulgação no século XVIII.

O pedido de concessão inicial aconteceu em 1912, ano em que foram conhecidas as primeiras análises químicas, realizadas por Bonhorst. Com a concessão vieram as pensões e o arrendamento de quartos para os aquistas.

Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)

Depois de um longo período de estagnação, as Termas de Vale da Mó reabriram em 2003, na sequência de várias obras, realizadas pela Câmara Municipal de Anadia, atual concessionária. Num plano superior, foi construído um pequeno edifício que serve de consultório, enfermaria, sala de espera/descanso e outros serviços. Para sul da fonte, foi feito um furo, obtendo-se água com uma mineralização idêntica. O objetivo é que seja aproveitada para um futuro balneário termal.

Localização central

A pequena aldeia de Vale da Mó está situada nas faldas da Serra do Caramulo, a 250 metros de altitude, por entre arvoredo denso, a poucos quilómetros da cidade de Anadia e perto das Termas da Curia e do Luso. É um lugar aprazível para tratamento de cura e repouso, de microclima muito seco, sem nevoeiros e temperado.

Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)

Características da água

A água ferruginosa que brota da fonte de Vale da Mó tem características únicas em Portugal. Segundo uma análise da Direção Geral de Geologia e Energia, realizada em 1993, a água mineral das Termas do Vale da Mó “nasce bacteriologicamente pura, sem cheiro e de sabor ligeiramente férreo”. Trata-se de uma água hipotermal, fracamente mineralizada, “moderadamente doce”, mas de reação ácida.

Quimicamente, tem uma elevada estabilidade, sendo uma água bicarbonatada magnesiana ferruginosa. Trata-se de uma representante única deste tipo no património hidrológico português.

É, por isso, especialmente indicada para o tratamento de doenças do sangue (anemias e outras por carência de ferro) e gastro-hepáticas. A água de Vale da Mó é ingerida pelos doentes na própria fonte, mediante recomendação médica obrigatória.

Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)
Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)
Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)
Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)
Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)
Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)
Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)
Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)
Termas de Vale da Mó (Coleção A. Simões)
Termas de Vale da Mó
Termas de Vale da Mó
Termas de Vale da Mó

NOTA: Para a execução deste texto, foi fundamental a consulta do “Novo Aquilégio”, um site que disponibiliza um extenso inventário de nascentes portuguesas com reportados usos terapêuticos, das termas mais famosas às fontes menos conhecidas. Em www.aguas.ics.ul.pt.

Mais informações sobre as Termas de Vale da Mó aqui.

www.termascentro.pt

6 Shares
Também pode gostar

Estâncias termaisTermas do Carvalhal, uma história com 200 anos

As Termas do Carvalhal, no belíssimo território de Castro Daire, é uma das unidades termais mais importantes da região Centro. Mas nem sempre o foram. Ao contrário de outras, as propriedades curativas das águas são uma descoberta relativamente recente. “Águas…

Estâncias termaisCuria, a água que curou o engenheiro francês

A história das Termas da Curia começa como a de muitas outras estâncias termais. Começa por uma nascente, que jorrava água borbulhante diretamente da terra, e pela sabedoria popular, que descobriu, empiricamente, as suas propriedades curativas. Nesta história também tem…