Termas da Curia, muito mais do que um espaço termal (por Elisabete Jacinto)

0 Shares
0
0
0

A piloto portuguesa Elisabete Jacinto está a realizar uma rota pelas estâncias termais da rede Termas Centro. Neste texto, escrito na primeira pessoa, conta-nos o que viu e experimentou nas Termas da Curia.

É a Avenida dos Plátanos que nos leva até às Termas da Curia. Uma estrada ladeada por árvores bem entroncadas, cujas copas formam um túnel de verdura encantador. Esta avenida é já uma espécie de antevisão do que nos espera do outro lado do muro que vemos lá ao fundo. Este assemelha-se à muralha de um castelo e, transpô-lo, constitui uma espécie de convite para recuar no tempo ou, pelo menos, para deixar para trás tudo o que possa perturbar uns dias de tranquilidade. Entrámos nas Termas da Curia, um espaço que deve ser vivido.

Desfrute: De um banho de natureza e água

A estância termal da Curia está situada no interior de uma propriedade vedada, com uma dimensão de 14 hectares. É o parque da Curia, com mais de um século de existência, onde é possível encontrar árvores já centenárias. São inúmeras as espécies que aqui se misturam em perfeita harmonia, apesar das diferentes origens. Partir à sua descoberta é algo que se faz espontaneamente, não resistindo ao convite feito pelos vários caminhos, trilhos e pontes. Isto porque, neste imenso parque, existe um lago artificial cheio de carpas enormes que vamos podendo admirar ao longo da nossa caminhada. Longe do ruído da cidade e da agitação do nosso dia-a-dia, o ambiente é de grande tranquilidade e de paz. A presença dos vários detalhes que estiveram na base da construção do parque fazem-nos recuar no tempo. Estes, tal como o antigo edifício das Termas e o Hotel das Termas onde dormimos, foram construídos nas primeiras décadas do século vinte, no interior do parque. Apresentam por isso uma arquitetura elegante, contribuindo para um enquadramento único. Na realidade, sentimo-nos num mundo diferente, pelo que este passeio nos permite fazer uma pausa relaxante na nossa vida.

Numa localização discreta situa-se o novo edifício das termas, cujas águas se destinam ao tratamento de doenças do aparelho circulatório, nefro-urinário, metabólico-endócrinas, reumáticas e músculo-esqueléticas, onde os meus sogros passaram muitas horas das suas vidas. As termas não se destinam apenas ao tratamento de doenças, mas também à preservação da saúde. Assim, aqui pode desfrutar de uma imensidão de outras técnicas que, tirando partido da água termal, contribuirão para o seu bem estar e reforçarão a sua saúde. Contudo, não me refiro apenas à saúde física, mas também à saúde mental. É importante concedermos a nós próprios uma pausa, permitindo um afastamento face às inúmeras solicitações diárias, para descansar a nossa mente, pensar, reorganizar as ideias! Este trio constituído pelas Termas, Parque e Hotel das Termas proporciona-nos as condições ideais para o fazermos pois, apesar de estarmos muito próximos de um centro urbano (Anadia), conseguimos o afastamento necessário para usufruir de umas férias repousantes.

Explore: Uma região de vinha e de vinho

Nesta região é grande a ocupação humana. Estamos na região vitivinícola demarcada da Bairrada, e os terrenos estão particularmente ocupados pela actividade agrícola. Aqui, sair do Parque das Termas para caminhar a pé, significa introduzir-se pelo vinhedo e observar de perto as diferentes castas que estão na origem da produção do tão conhecido vinho português. Fomos até às vinhas de São Lourenço, onde percorremos o caminho que nos levou ao Baloiço Maria Gomes. Maria Gomes é o nome de uma casta vinícola e, o baloiço, construído com uma meia pipa de vinho, num local que nos permite uma excelente panorâmica sobre a vinha, constitui, simultaneamente, um ponto turístico e uma homenagem a uma das maiores fontes de riqueza da região.

Ali perto, conhecemos a Quinta do Encontro, cujas instalações se inspiraram na forma de uma barrica de vinho, conferindo-lhe uma arquitectura original. Nesta quinta é possível visitar a adega ou desfrutar de um restaurante de qualidade, onde se come com vista para a vinha que domina a paisagem até se perder de vista. É bonito!

Complementámos o nosso passeio com uma visita ao Museu do Vinho Bairrada, um espaço moderno e bem concebido onde se aprende como se produz o Espumante da Bairrada.

Para finalizar este percurso é importante passar na Associação Rota da Bairrada, instalada na antiga estação de caminho de ferro da Curia. Este é um espaço de promoção dos vários produtos produzidos na região. São muitos e de grande qualidade. Só de vinhos fazem já parte desta associação trinta e oito marcas. Aqui, provámos o espumante e também os Amores da Curia, um bolinho típico da região feito com massa folhada e doce de ovos em forma de coração. Uma verdadeira delícia que vai muito bem com o espumante.

Descubra: O que há na região para além do vinho

Diga-se a verdade, que o desejo de descobrir a região nos levou a andar mais de carro do que a pé. Foi dessa forma que constatámos a existência uma ampla extensão de pistas pedonais construídas pelo município da Anadia. Demos também conta do grande interesse da região pelo desporto, onde se destaca a existência de um Complexo Desportivo e de um Centro de Alto Rendimento. Este tem por objectivo a formação e preparação de atletas ligados ao ciclismo, esgrima, judo, ginástica e pentatlo moderno. Na paisagem destaca-se o Velódromo e a pista de BMX, que não tivemos oportunidade de conhecer por dentro.

Terminámos com uma visita ao Museu José Luciano de Castro, um espaço dedicado ao advogado, jornalista e político que viveu uma boa parte da sua vida em Anadia. Uma aula de história, diga-se a verdade.

Em suma, uns dias passados nas Termas da Curia proporcionaram-nos uma grande variedade de experiências e um maior conhecimento do nosso país. Valeu a pena!

Mais informações sobre as Termas da Curia aqui.

Veja por onde já andou a Elisabete Jacinto:

Termas da Curia, muito mais do que um espaço termal

Termas de Luso, uma fonte de bem-estar

Termas de Unhais da Serra, uma experiência que deve ser vivida

Termas do Cró, um paraíso na natureza

Uns dias nas Termas de Monfortinho

www.termascentro.pt

0 Shares
Também pode gostar

Ver e fazerLuso: roteiro pela vila termal (e arredores)

Os territórios onde estão implantadas as estâncias termais da rede Termas Centro são verdadeiramente deslumbrantes. Um período passado nas Termas é, por isso, recompensador de diversas formas. Além de contribuírem para a regeneração do corpo, sendo eficazes no tratamento de…

Estâncias termaisTermas do Carvalhal, uma história com 200 anos

As Termas do Carvalhal, no belíssimo território de Castro Daire, é uma das unidades termais mais importantes da região Centro. Mas nem sempre o foram. Ao contrário de outras, as propriedades curativas das águas são uma descoberta relativamente recente. “Águas…

Estâncias termaisCuria, a água que curou o engenheiro francês

A história das Termas da Curia começa como a de muitas outras estâncias termais. Começa por uma nascente, que jorrava água borbulhante diretamente da terra, e pela sabedoria popular, que descobriu, empiricamente, as suas propriedades curativas. Nesta história também tem…