Roteiro pelas Termas de Alcafache e Viseu: natureza e cultura numa união perfeita

55 Shares
54
0
1

Uma das grandes vantagens de se fazer uma cura termal na rede das Termas Centro é que se conseguem conjugar os melhores tratamentos médicos especializados, com a descoberta de sítios extraordinários. A generalidade das estâncias termais da rede está localizada em territórios que, só por si, justificam uma visita prolongada!

É o caso das Termas de Alcafache. Única estância termal do concelho de Viseu, que alia uma localização deslumbrante, em plena natureza, com a proximidade a uma das cidades mais dinâmicas da região. É o melhor de dois mundos!

Descubra o roteiro dos locais que não pode deixar de conhecer quando visitar as Termas de Alcafache!

Em Alcafache e arredores:

As Termas de Alcafache

Em atividade desde 1962, as Termas de Alcafache são uma referência nacional no tratamento das patologias músculo-esqueléticas e das vias respiratórias. Situadas num belo e extenso pinhal no vale do rio Dão, são um pequeno paraíso protegido da poluição e do stress, num ambiente 100% ecológico. À sua volta encontra um espaço de lazer e ali começam caminhos pedestres que vale a pena descobrir.

Circuito das Termas de Alcafache

Percurso pedestre que percorre os trilhos e as paisagens ribeirinhas nas margens do rio Dão, na envolvente do balneário termal. Acessível a quase todos e com uma reduzida extensão, é a opção perfeita para um descontraído passeio ao ar livre e recomendado como terapia complementar à cura pelas águas. Mais informações sobre este percurso aqui: Circuitos Pedestres das Termas Centro

Santar

Santar é uma vila anterior à nacionalidade e com muita História e histórias para contar. O seu património cultural e a beleza da sua paisagem, marcada pela vinha, não deixam ninguém indiferente. As muitas casas fidalgas, de granito imponente, que são uma característica da vila escondem alguns dos mais belos jardins do país e que agora podem ser visitados.

Em Viseu:

A animada cidade de Viseu dá-lhe as boas-vindas com o seu património histórico e cultural único. Venha conhecer a região que inspirou Viriato a defender a Lusitânia dos Romanos e deixe-se encantar pelo seu charme rústico, e que ao mesmo tempo inspira as maiores mentes criativas do país, e pelos vinhos e gastronomia distintiva da região Viseu-Dão-Lafões.

Rossio (ou Praça da República)

A Praça da República, conhecida como Rossio, é o principal núcleo da cidade. É uma praça movimentada, com edifícios emblemáticos, como a Câmara Municipal ou o Banco de Portugal. No Rossio encontramos ainda uma alegoria ao mundo rural, representada num painel de azulejos datado de 1930.

Parque Aquilino Ribeiro 

Junto ao Rossio, aproveite e descanse no parque Aquilino Ribeiro, pulmão da cidade de Viseu. É um espaço convidativo onde pode respirar ar puro, divertir-se, passear e fazer desporto, por entre cursos de água em movimento.

Igreja da Ordem Terceira de S. Francisco

Com uma vista privilegiada sobre a Praça da República, a igreja da Ordem Terceira de S. Francisco apresenta uma elegante escadaria que acede a um dos mais belos exemplares da arquitetura religiosa da segunda metade do séc. XVIII.

Rua Direita

A Rua Direita é a principal artéria comercial da cidade de Viseu. Com meio quilómetro de extensão, era há 2000 anos o principal eixo viário da cidade romana, o Cardus Maximus. Ao longo de toda rua são visíveis casas sobradas, casas senhoriais, janelas manuelinas e inúmeras lojas de comércio tradicional, onde se encontra de tudo um pouco.

Sé Catedral

Numa das mais belas praças do nosso país, podemos visitar a Catedral de Santa Maria de Viseu, edifício dos inícios do século XII, com posteriores alterações. No seu interior podemos observar o primeiro claustro renascentista de Portugal, a capela-mor gótica e outros motivos de interesse. No piso superior, está o Museu dedicado ao Tesouro da Sé, com o acervo dos 900 anos da catedral, e o Passeio dos Cónegos, uma varanda que oferece uma das mais belas vistas da cidade e que liga o claustro superior da Sé à antiga Torre de Menagem.

Museu Nacional Grão Vasco

Ao lado da Sé Catedral, num antigo seminário, foi fundado em 1916 o Museu Nacional Grão Vasco, em homenagem ao mestre da pintura portuguesa do século XVI que viveu e morreu em Viseu. Aqui podem ser observadas algumas das obras-primas da pintura renascentista portuguesa, como o retábulo da Catedral de Santa Maria de Viseu ou a pintura de São Pedro, de Grão Vasco. A coleção do museu exibe ainda várias peças representativas da arte e da pintura portuguesa, algumas classificadas como “Tesouro Nacional”.

Igreja da Misericórdia

Em frente à Sé Catedral, do outro lado do Adro da Sé, está a imponente igreja da Misericórdia, do séc. XVI e de inspiração posterior barroca. Lá dentro pode descobrir um magnifico órgão de tubos do séc. XVIII, entre outros atrativos.

Porta do Soar

O burgo medieval de Viseu mantém ainda várias portas de entrada. A Porta do Soar é uma das mais imponentes. Construída a partir de 1412, apresenta um arco de ogiva quebrada, encimado por uma pedra de armas e por São Francisco, que nos convida a entrar na antiga cidade. A ladear a porta podemos ainda observar o que resta da imponente muralha Afonsina.

Porta dos Cavaleiros

Outra das antigas entradas da cidade medieval, a Porta dos Cavaleiros tem ao lado a Fonte de S. Francisco, um monumento de características barrocas imortalizado por Camilo Castelo Branco na obra “Amor de Perdição”: foi neste local que o autor retratou o confronto mortal entre Simão Botelho e Baltazar Coutinho.

Muralha romana da Rua Formosa

Na Rua Formosa, protegido por um vidro, é visível um vestígio da presença romana em Viseu. Trata-se de um fragmento da muralha construída por volta do ano 360, para defender a cidade dos ataques bárbaros.

Igreja do Carmo

Vista por fora, a Igreja da Ordem Terceira do Carmo pode passar despercebida. É quando entramos que nos revela os seus encantos. Trata-se de um magnífico exemplar da arte barroca, visível no teto em perspetiva, na talha dourada dos retábulos e nos painéis que revestem as paredes.

Cava de Viriato

A Cava de Viriato está ainda hoje envolta em mistério. É um monumento de grandes dimensões, com 32ha, com planta octogonal, composto por oito taludes em terra, com 250m de comprimento cada, associados a fossos de água com 16m de largura e 4m de profundidade. Subsistem muitas dúvidas sobre a autoria e o significado de tão possante monumento. A lenda, que não passará disso, associa-a a Viriato, famoso guerreiro lusitano que fez frente aos romanos.

Parque do Fontelo

Criado no séc. XVI, este parque, de influência italiana, é ideal para relaxar num cenário idílico. A pequena cascata, a diversidade de formas e cores, os odores das flores, tudo convida a por lá ficar o máximo de tempo possível.

Coimbra

Solar do Vinho do Dão

Junto ao Parque do Fontelo, o Solar do Vinho do Dão, ou antigo Paço Episcopal, foi residência dos bispos de Viseu até aos inícios do século XX. É hoje a sede da Comissão Vitivinícola Regional do Dão e o local de partida de uma das rotas mais sensoriais de Viseu, a Rota do Vinho do Dão.

Street Art nas ruas de Viseu

As ruas de Viseu foram escolhidas por vários artistas urbanos como “telas” para as suas melhores obras. Tão interessantes que motivaram um roteiro específico, que mostra 27 pontos de “street art”, ou arte urbana. Vale a pena descobri-los pela cidade. 

Ecopista do Dão

A Ecopista do Dão é uma via ciclável, criada ao longo do antigo ramal ferroviário do Dão, numa extensão de 49,2 Kms e que atravessa os concelhos de Viseu, Tondela e Santa Comba Dão. A antiga Linha do Dão, inaugurada em 1890, foi desativada em 1988. Onde havia carris, há agora um percurso aprazível para fazer de bicicleta!

Mais para ver e fazer:

Degustar vinho do Dão e a gastronomia regional

Viseu é o coração da região demarcada do Dão, uma das regiões vitivinícolas mais dinâmicas do país. Razão para não perder a oportunidade de fazer uma prova numa das muitas quintas de produtores da zona. À hora das refeições, escolha um dos excelentes restaurantes da cidade e deixe-se tentar por uma das especialidades gastronómicas da região: a Vitela Assada à Lafões ou o Arroz de Carqueja são apostas ganhas.

Mais informações sobre as Termas de Alcafache aqui.

www.termascentro.pt

55 Shares
Também pode gostar

Ver e fazerLuso: roteiro pela vila termal (e arredores)

Os territórios onde estão implantadas as estâncias termais da rede Termas Centro são verdadeiramente deslumbrantes. Um período passado nas Termas é, por isso, recompensador de diversas formas. Além de contribuírem para a regeneração do corpo, sendo eficazes no tratamento de…

Ver e fazer8 passeios a não perder nas Caldas da Rainha

Passar tempo de qualidade nas Termas Centro é optar por centros de excelência que proporcionam os melhores cuidados de saúde. Significa, também, escolher um destino ideal para relaxar e reencontrar-se consigo mesma(o) e com os seus. Mas representa muito mais…