Caldas da Felgueira: uma História com quase três séculos

0 Shares
0
0
0

A visão de José Marques Caldeira

Um passo decisivo para as Caldas da Felgueira deu-se com a primeira cessão da exploração das águas, concedido pela Câmara de Nelas em 24 de dezembro de 1880, véspera de Natal, a José Maria Marques Caldeira. Na sequência, José Maria Marques Caldeira publicou uma memória apresentada à autarquia, com o título: “Banhos da Felgueira – O que são e o que rendem actualmente e o que devem ser e render no futuro – Demonstração breve destes dois factos”. Nesta memória, descreveu o mau estado geral dos balneários. “(…) Nestas péssimas condições as duas banheiras funcionam de dia e de noite durante a maior parte das duas quadras em que os banhos são concorridos (seis meses por ano)”.

De acordo com José Maria Marques Caldeira, a frequência da Felgueira situava-se em pelo menos 4000 pessoas, mas o mercado potencial seria muito maior, dado o aumento da procura da estância termal e a abertura do caminho-de-ferro da Beira Alta, em 1876. O autor sugere a construção de um balneário e de um hotel. Estando o projeto concluído, “as águas da Felgueira serão as mais procuradas do país, porque não as há melhores em riqueza medicinal”. Além disso, aos valores totais do rendimento anual poderiam juntar-se os valores da comercialização de água engarrafada. 

“As águas da Felgueira serão as mais procuradas do país, porque não as há melhores em riqueza medicinal

José Maria Marques Caldeira, 1881

A 7 de agosto de 1882 nasceu então a Companhia das Águas Medicinais da Felgueira, pelas mãos de José Maria Marques Caldeira, que de pronto iniciou os trabalhos de melhoramentos da captação de águas. Para tal, desafiou o arquiteto Rodrigo Maria Berquó, Marquês de Cantagallo, a visitar os estabelecimentos termais dos Pirenéus, com o objetivo de estudar um projeto termal para a Felgueira.

Ainda em 1982, por Decreto Real, a Companhia das Águas Medicinais da Felgueira torna-se concessionária das Águas Mineromedicinais da Felgueira, uma vez que lhe tinham sido reconhecidas propriedades terapêuticas.

Em 1886, iniciou-se a construção do novo balneário, de grande qualidade. Foi inaugurado em 5 de junho de 1887, tendo sido o seu primeiro diretor clínico o Dr. João Felício, médico natural de Canas de Senhorim. Sobre o novo balneário, escreveu Alfredo Lopes que “neste estabelecimento se encontram cuidadosamente instalados os mais completos aparelhos hidroterápicos, 50 tinas para banhos de imersão, duches e uma excelente sala de inalações e pulverizações”.

Também em 1886, é criada a Companhia do Grande Hotel Club das Caldas da Felgueira, independente da Companhia das Águas, e é edificado o Grande Hotel. Vivia-se então um período de grande projeção das Caldas da Felgueira, que no início do século XX foi considerado dos melhores estabelecimentos termais do país.

(o artigo continua na página seguinte)

0 Shares
Também pode gostar

Estâncias termaisCuria, a água que curou o engenheiro francês

Como um rastilho, a notícia espalhou-se entre portugueses e franceses. A afluência de doentes acentuou-se, apesar da ausência de instalações, tendo o município autorizado a edificação de uma barraca de madeira, que permitisse a prática do banho sem que os…

Estâncias termaisTermas do Carvalhal, uma história com 200 anos

A tina do juiz Em 1892, Alfredo Lopes faz a descrição das nascentes. Nesta altura já existia um “modesto balneário”, para onde era conduzida a água de quatro das nascentes. Outra nascente era destinada para ingestão, embora a sua água…